INSS Paga R$ 193 Milhões em Benefícios a Pessoas Mortas em Quatro Anos, Segundo CGU

Autor: Karina Icoma | Publicado: 02/05/2024

INSS Paga R$ 193 Milhões em Benefícios a Pessoas Mortas em Quatro Anos, Segundo CGU

Auditoria revela falhas no cruzamento de dados entre o INSS e bases governamentais de óbitos

Um relatório da Controladoria-Geral da União (CGU) divulgado em 29 de abril de 2024 identificou pagamentos indevidos de benefícios do INSS a pessoas falecidas. Entre janeiro de 2019 e junho de 2023, foram computados R$ 193 milhões em 18.747 benefícios concedidos a 17.738 beneficiários que já haviam registrado óbito em bases de dados governamentais.

O levantamento, realizado pela Diretoria de Controle de Previdência e Assistência Social da CGU, demonstra falhas na comunicação entre o INSS e outras instituições públicas, como cartórios de registro civil. A situação gera transtornos para os cofres públicos e para as famílias dos falecidos, que podem ter que devolver os valores recebidos indevidamente.

INSS facilita acesso ao auxílio-doença: nova modalidade online permite solicitar Atestmed pela Central 135

Falta de Integração Entre Sistemas

A principal causa dos pagamentos indevidos, segundo a CGU, é a falta de integração entre os sistemas do INSS e as bases de dados de óbitos. O órgão ressalta que, apesar de existir um acordo de cooperação entre as partes, a troca de informações ainda é manual e falha em atualizar os dados de forma eficaz.

Responsabilidades Compartilhadas

Embora a responsabilidade principal de comunicar o óbito ao INSS recaia sobre a família do falecido e os cartórios de registro civil, o instituto também tem obrigações nesse processo. O INSS deve realizar o cruzamento de dados com as bases de óbitos disponíveis e suspender os benefícios em caso de inconsistências.

Beneficiário do INSS e pensionistas

Medidas Corretivas e Preventivas

Diante das falhas identificadas, a CGU recomenda a adoção de medidas corretivas e preventivas, como:

- Aprimoramento da integração entre os sistemas do INSS e as bases de dados de óbitos;

- Implementação de mecanismos automatizados para a identificação e suspensão de benefícios a falecidos;

- Campanhas de conscientização para informar famílias e cartórios sobre a necessidade de comunicar o óbito ao INSS.

Situação Requer Ação Urgente

O caso dos pagamentos indevidos de benefícios a pessoas mortas expõe fragilidades na gestão pública e reforça a necessidade de aprimorar os mecanismos de controle e fiscalização. As medidas recomendadas pela CGU são urgentes e devem ser implementadas o mais rápido possível para evitar novos prejuízos ao erário público e garantir a justiça social.

Previdência quer usar SUS para automatizar prova de vida do INSS: o fim das filas e da burocracia?

Além das informações acima, o relatório da CGU também apresenta:

- Análise dos pagamentos indevidos por estado;

- Distribuição dos benefícios por tipo (aposentadoria, pensão por morte, auxílio-doença, etc.);

- Recomendações específicas para cada órgão envolvido.

Este caso serve como um lembrete da importância da transparência e da eficiência na gestão pública. É fundamental que os órgãos públicos trabalhem em conjunto para combater fraudes e garantir o uso correto dos recursos públicos.

Publicado para: Facta Financeira

Imagem do logo da Facta

SAC Facta Financeira

Horário de atendimento: das 09h às 16h


A Facta Financeira S.A utiliza Cookies para auxiliar na sua navegação, melhorar sua experiência como usuário e direcionar conteúdo de marketing para você, fazer análises e relatórios estatísticos sobre o uso do site e conectá-lo com as redes sociais de sua escolha, tudo para te proporcionar a melhor experiência possível. Para saber mais sobre Cookies, acesse a nossa Política de Cookies. As taxas de juros, margem consignável e prazo de pagamento praticados nos empréstimos com consignação em pagamento dos Governos Federais, Estaduais e Municipais, Forças armadas e INSS observam as determinações de cada convênio, bem como a política de crédito da instituição financeira a ser utilizada. Em caso de arrependimento na contratação de uma operação de Crédito Consignado (Empréstimo ou Cartão) você tem até 7 dias corridos para entrar em contato com o Banco Facta e efetuar o cancelamento e a devolução dos valores, acrescido de eventuais tributos que incidiram sobre a operação. ( CNPJ: ) ENDEREÇO: , - - - CEP: TELEFONES DE CONTATO .

Copyright © 2024 Assert Tech